Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

PROJETOS SOCIAIS

Centro Holístico de Orientação à Saúde



Inaugurado pela Associação Sino Brasileira de Acupuntura, Moxabustão e Terapias Holísticas – ASBAMTHO – em abril de 1993, o "CENTRO HOLÍSTICO DE ORIENTAÇÃO À SAÚDE", vem ao longo destes anos prestando atendimento à população carente de Petrópolis com diversas terapias em consonância com os ensinamentos holísticos que, na atualidade, são reconhecidos e recomendados pela Organização Mundial de Saúde – OMS.

O Centro está situado em casa locada pela ASBAMTHO em parceria com a Prefeitura Municipal de Petrópolis à Rua D. Pedro nº 131 – Centro.

Todos os terapeutas envolvidos no projeto trabalham como voluntários, sem nenhuma espécie de remuneração. A política adotada pelo C.H. desenvolve uma linha de trabalho que inclui, no atendimento ao público, não só tratamento mas também orientação em prevenção à doenças e promoção à saúde através de palestras, cursos, atividades ocupacionais e outras.



A orientação considera as seguintes atividades:

- Reeducação alimentar apropriada aos recursos de cada indivíduo ou família. Por exemplo; aproveitamento completo dos alimentos sem desperdícios; a utilização de produtos orgânicos, consciência do ato de alimentar-se, uso e técnicas não convencionais que barateiam o custo, etc.

- Prática de exercícios de harmonização física e energética como meditação, yoga, consciência corporal.

- Palestras periódicas sobre diferentes assuntos visando a melhor compreensão de um viver saudável.

- A arte de tricotar.

- Curso de formação em Agentes de Saúde.



Dispõe das seguintes técnicas terapêuticas, abrangendo a atuação de mais de trinta terapeutas profissionais:

- Acupuntura e Moxabustão
- Shiatsu
- Fitoterapia
- Florais
- Reiki
- Massagem terapêutica
- Nutrição
- Dança terapêutica
- Psicologia individual e em grupo
- Exercícios posturais energéticos e Yoga
- Meditação

Com os terapeutas e as técnicas acima especificadas o C. H. atinge uma média de seiscentos atendimentos mensais exclusivamente a pessoas de baixa renda ou temporariamente incapacitadas de pagar por um profissional.

A prestação desses serviços reveste-se de particular importância se considerarmos a atual precariedade dos atendimentos públicos oferecidos à população.

As resistências, outrora difíceis, contra a utilização de técnicas ditas "alternativas", vem sendo progressivamente abrandadas nos meios de saúde oficiais. Contamos, atualmente, com vários encaminhamentos de órgãos públicos e particulares, além de profissionais de diversas áreas de saúde e educação.

Com uma atuação filantrópica sem nenhum cunho político ou religioso o C. H. quer, apenas, cooperar para o crescimento de uma população mais saudável, feliz e consciente.

Nossa meta é poder levar a um número cada vez maior de pessoas a possibilidade de descobrir seus próprios dons e talentos, longe das dificuldades econômicas e sociais que somos vítimas. Viver não é necessariamente ter que depender do que o estado nos oferece. Viver é ser livre para escolher e encontrar a felicidade dentro de si.

Nossa grande recompensa é estar participando de um projeto que visa o crescimento e a paz entre as pessoas. Que estamos contribuindo, mesmo que minimamente, para um planeta mais consciente e saudável.

AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE EM TERAPIA ALTERNATIVA



Projeto desenvolvido pela ASBAMTHO na cidade de Petrópolis, iniciado em 1990, e que vem formando agentes comunitários de saúde até o presente.

A melhoria da qualidade de vida das comunidades carentes, através da socialização dos conhecimentos e recursos holísticos da Medicina Chinesa, reduzindo a incidência de doenças e abrandando alguns efeitos perversos da pobreza é o objetivo central deste projeto.

Tendo como fonte de inspiração a experiência chinesa dos Médicos de Pés Descalços (pessoas escolhidas na comunidade e treinadas para serem aptas a atuarem na área de saúde com atendimentos e ações educativas) e no Brasil do trabalho espontâneo dos agentes informais (raizeiras, parteiras e benzedeiras) que já desempenham um papel de atenção à saúde nas comunidades.

Quem é o Agente Comunitário de Saúde?


Fundamentalmente uma pessoa da comunidade e que mantém com a mesma um relacionamento de respeito, dedicação e discrição e que após ser habilitada pelo curso de formação de agentes comunitário pode atuar de forma segura nas ações preventivas e de promoção da saúde.

Esta pessoa deve ser maior de idade, alfabetizado e indicado pela comunidade, atendendo estes quesitos o interessado passa por uma entrevista prévia com a coordenação.

Como está estruturado o curso?



Com carga horária total de 300 horas o aprendizado é distribuído em aulas práticas e teóricas, seminários e supervisão. As disciplinas são:

Alimentação;
Anatomia;
Fisiologia;
Desenvolvimento Comunitário;
Exercícios Energéticos;
Fitoterapia;
Filosofia do Agente Comunitário de Saúde em Terapias Alternativas;
Shiatsu;
Moxabustão;
Políticas de Saúde;
Primeiros Socorros;
Psicologia Aplicada;
Saneamento Básico.


Embasamento legal:

Lei Orgânica do Município de Petrópolis



Art. 138 parágrafo 1º - A lei dará ênfase à ação preventiva de saúde, integrada numa política educacional direcionada para orientações básicas nas áreas odontológica e sanitária, assegurando-se a importância de ações que envolvam a medicina curativa e alternativa.

Art. 138 parágrafo 4º - É dever do Município criar e implantar o serviço de atendimento de Terapia Alternativa.
Art. 140 parágrafo 1º - É assegurada a distribuição de Agentes de Saúde por bairros e distritos, objetivando garantir o serviço o médico e emergencial e de boa qualidade.

Art. 142 - XII – Desenvolver convênios, contratos e projetos de intercâmbios com Estados, União, Países Estrangeiros e Instituições Nacionais ou Internacionais de ensino e pesquisas, tanto públicas quanto privadas.

Art. 142 - XIII – Criar, implantar e manter serviço de atendimento terapêutico alternativo de abordagem holística, como homeopatia, massagem energética oriental, acupuntura, fitoterapia, bem como a popularização do ensino de recursos profiláticos da mesma natureza desde que tais práticas sejam consideradas convenientes e reclamadas pelos usuários através de órgão competente.

Art. 146 – As instituições privadas poderão participar de forma complementar ao Sistema Único de Saúde, mediante contrato de direito público ou convênio, tendo preferência as entidades filantrópicas, as cooperativas e as entidades sem fins lucrativos.

ASBAMTHO participou ativamente dos encontros que resultaram na Lei Orgânica Municipal.

IX Conferência Nacional de Saúde – 1992

- Incentivar e proteger o saber popular e incluir as práticas alternativas de saúde na rede pública.
- Exigir dos próximos prefeitos e vereadores eleitos, o compromisso público com os princípios e diretrizes do SUS e com as deliberações da IX conferência Nacional de Saúde, tratando de operacionalizá-los o mais rápido possível.
- Os modelos assistenciais devem desenvolver práticas diferenciadas segundo realidade local, com garantia de acesso universal, não configurando um sistema simplificado. Deve-se incorporar as práticas alternativas dos serviços de saúde, as tecnologias populares e as ações de promoção de saúde.
- Os modelos assistenciais devem garantir o atendimento universal e integral em nível institucional comunitário com equipes multiprofissionais e interdisciplinares.
- A mudança do modelo assistencial exige deshospitalização da assistência médica e a desmedicalização.
- Qualificação dos Agentes Comunitários em larga escala para ingresso no serviço público.
III Conferência Municipal de Saúde – 1995

Capítulo IV – A Fundação Municipal de Saúde deverá encontrar uma via de remuneração para a continuidade do Programa de Agentes Comunitários de Saúde.

Convênios firmados:


Convênio com a Prefeitura Municipal de Petrópolis, através da Secretaria Municipal de Saúde no ano de 1991;

Convênio com o Município de Petrópolis dentro do Programa Educativo de Ações Básicas de Saúde, respaldado na Lei Orgânica do Município, através da Secretaria de Desenvolvimento Comunitário no ano de 1993.

A ASBAMTHO participou da Conferência Municipal de Saúde de 1995.

O COMPROMISSO SOCIAL DA MEDICINA CHINESA



A Asbamtho, desde a sua criação, priorizou a divulgação, informação e formação de pessoas com os recursos das práticas chinesas e alternativas de saúde. Entendemos ser fundamental a construção ampliada de uma sociedade mais justa, onde cada vez mais as pessoas possam ter informações sobre prevenção de doenças e promoção de saúde. Uma sociedade que tenha acesso ao conhecimento e aos recursos para utilizarem tais práticas. O caminho que acreditamos ser o melhor e mais possível para isso é o de socializar o saber, através de cursos, palestras e tantas outras formas de participação que, além de fortalecer o potencial de cada pessoa no sentido de transformar a vida e a saúde, também busca enfatizar a autonomia para se cuidar, a auto-gestão sobre sua saúde. Assim estaremos desconstruindo dependências nocivas, criadas pelo nosso sistema de saúde, público ou privado, convencional ou alternativo.

PRÁTICAS ALTERNATIVAS NOS POSTOS DE SAÚDE DO MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO.


Convênio assinado com a Secretaria Muncipal de Saúde pelo período de 11/02/98 a 20-08-04:

Firmado entre o Município do Rio de Janeiro e a ASBAMTHO, o convênio era para a abertura de campo de estágio para alunos do Curso Técnico Profissionalizante de Shiatsu em unidades da Rede Municipal de Saúde.

Em 2001 foi assinado também o convênio para a abertura de campo de estágio com Acupuntura, realizado no Posto de Saúde Ernani Agrícola, em Santa Teresa. O convênio para a utilização da Acupuntura, praticada pelos alunos do Curso Técnico Profissionalizante de Acupuntura da Asbamtho, foi assinado pelo então Secretário Municipal de Saúde e adepto das práticas chinesas, Dr. Sérgio Arouca, que também sustentava um entendimento da Acupuntura como uma prática multiprofissional.

A Asbamtho, desde a sua criação, priorizou a divulgação, informação e formação de pessoas com os recursos das práticas chinesas e alternativas de saúde. Entendemos ser fundamental a construção ampliada de uma sociedade mais justa, onde cada vez mais as pessoas possam ter informações sobre prevenção de doenças e promoção de saúde. Uma sociedade que tenha acesso ao conhecimento e aos recursos para utilizarem tais práticas. O caminho que acreditamos ser o melhor e mais possível para isso é o de socializar o saber, através de cursos, palestras e tantas outras formas de participação que, além de fortalecer o potencial de cada pessoa no sentido de transformar a vida e a saúde, também busca enfatizar a autonomia para se cuidar, a auto-gestão sobre sua saúde. Assim estaremos desconstruindo dependências nocivas, criadas pelo nosso sistema de saúde, público ou privado, convencional ou alternativo.

PRÁTICAS ALTERNATIVAS NOS POSTOS DE SAÚDE DO MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO.



Convênio assinado com a Secretaria Muncipal de Saúde pelo período de 11/02/98 a 20-08-04:

A média de atendimento mensal em cada unidade era de 300 atendimentos sem nenhum custo para a Secretaria Municipal de Saúde, todo material utilizado nos atendimentos como agulhas, moxa, algodão, álcool, foram fornecidos pela ASBAMTHO.

Em 2004, o convênio foi suspenso pela Secretaria Municipal de Saúde por questões políticas e de interesses corporativos. Entenderam que a Acupuntura só poderia ser praticada por médicos. Tal entendimento, entretanto, esbarra na inexistência de lei federal que assim o sustente, foi mais um ato arbitrário e discricionário cometido pelo serviço público. A Asbamtho, depois de comunicar à comunidade de Santa Teresa, através de reunião convocada junto à Associação de moradores, principal prejudicada com a suspensão do convênio, e esta se mobilizar para solicitar a sua retomada, não logrou êxito no intento, esbarrando na burocracia e nos interesses escusos de grupos detentores do poder, interrompendo assim um projeto que beneficiava inúmeras pessoas, direta e indiretamente.

CURSO ABERTO DE TERAPIA CHINESA NO CENTRO CULTURAL LAURINDA SANTOS LOBO.



No ano de 2002, como extensão do trabalho no Posto Municipal de Saúde Ernani Agrícola, e visando colocar em prática o sentido de saúde como socialização do saber, autonomia e responsabilidade de todos, foi realizado no Centro Cultural Laurinda Santos Lobo à Rua Monte Alegre, em Santa Teresa, o Curso Aberto de Terapia Chinesa, que contava com aulas de: Shiatsu, Filosofia da Medicina Chinesa, Exercícios Respiratórios, Automassagem, Articulares, Relaxamento e Dietética Energética.

O Curso foi motivado pela necessidade de irmos além do atendimento no Posto de Saúde, o que, no nosso entender, corria o risco de reproduzir o sistema de dependência que tanto discordamos. A divulgação foi realizada entre os pacientes e usuários dos atendimentos de Shiatsu e Acupuntura, e estes com seus familiares. Teve como objetivo criar condições reais para uma prática de prevenção de doenças e promoção da saúde. A turma contou com 79 alunos. O Curso foi ministrado pela equipe de professores da Asbamtho, em caráter gratuito, tendo a duração de seis meses.

PRÁTICAS NO CENTRO CULTURAL LAURINDA SANTOS LOBO



Face ao sucesso do Curso Aberto de Terapia Chinesa e diante da evidência de que a comunidade ansiava por uma continuidade do trabalho, foi criado um projeto que implantou práticas de Yoga, Meditação, Tai Chi Chuan e Exercícios de Bioenergética no Centro Cultural Laurinda Santos Lobo. Aberto à comunidade de Santa Teresa, o projeto obteve grande êxito, apresentando estas práticas de vida que se constituem em verdadeiro caminho de transformação interior, oferecendo a oportunidade aos jovens e idosos do bairro de colocarem em prática esta visão de saúde.

Todos os professores que participaram do projeto trabalharam em caráter de doação, desenvolvendo laços de carinho, amizade e respeito mútuo com os alunos.

PROJETO MST



Em 2007 a Asbamtho fez uma parceria com o Movimento dos Trabalhadores sem Terra no Estado do Rio de Janeiro, e iniciou, gratuitamente, um curso de formação de Agentes de Saúde para integrantes do Movimento. O curso conta com a participação de vinte e cinco educandos, vindos de vários assentamentos do Estado do Rio e que se formarão no fim do ano. Constam do curso as seguintes disciplinas: Shiatsu, Exercícios Energéticos, Auto-massagem, Moxabustão, Acupuntura, Fitoterapia, Orientação Alimentar, Primeiros Socorros, Sanitarismo, Política de Saúde, Epidemiologia, Violência contra a Mulher, Ecologia e Saúde da Criança.

O Curso está formando pessoas do Movimento, vocacionadas para o trabalho na área da saúde, setor carente dentro do Movimento.

Além do atendimento que estas pessoas estarão aptas a prestar, nas disciplinas constantes do Curso, o projeto pretende fortalecer a autonomia do Movimento com relação à dependência estabelecida pelo sistema de saúde público. Entendemos, uma vez mais, que a saúde deve ser compartilhada por todos, sem se tornar hegemônica, sempre sendo compreendida de forma ampla, priorizando a prevenção e a promoção.

Dentro do Movimento já existem práticas que se alinham com a visão do Curso, tais como agricultura orgânica, comercialização direta do produtor ao consumidor sem intermediários, a preocupação ecológica, a participação ampla nas decisões, e uma prática construtivista no processo de formação.

Em 2018, retomamos a parceria com o MST e a Fiocruz e vamos realizar um curso de Curso de Qualificação Profissional em Saberes, Práticas Integrativas, Tradicionais e Complementares em Saúde para a População do Campo, em que Patricia Stumpf da Asbamtho dará aulas sobre alimentação saudável, cuidado de si e shiatsu para integrantes do coletivo de saúde dos assentamentos do estado do Rio de Janeiro."


PROJETO SHIATSU NO CAT - CENTRO DE ARTES DO TERREIRÃO



Parceria com o CAT, a Asbamtho vem formando com Shiatsu e Exercícios Energéticos, jovens moradores da comunidade do Terreirão, no Recreio dos Bandeirantes. O Curso tem a participação de 28 alunos e também acontece em caráter gratuito. Além de informar sobre uma outra visão de saúde e de vida, pretendemos com o Curso incentivar a prática do Shiatsu e dos exercícios entre as famílias e amigos em geral. Pensamos que a popularização, com qualidade, desses recursos, pode contribuir na construção de uma sociedade mais harmônica e amistosa, a partir das transformações individuais promovidas, motivadas por uma visão de vida diferenciada.


PROJETO DE IMPLEMENTAÇÃO DAS PRÁTICAS INTEGRATIVAS E COMPLEMENTARES EM SAÚDE NO SUS DE PETRÓPOLIS - 2018



Desde a implantação da Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares em Saúde (PNPICS) no ano de 2006, a inclusão das PICS na Atenção Básica de Petrópolis tem acontecido de forma gradual, em virtude do pouco conhecimento sobre as mesmas, pela falta de pesquisas na área e pela pouca quantidade de profissionais do SUS qualificados para realizá-las. A partir de 2016, iniciamos várias reuniões entre profissionais de saúde e formadores no campo dessas práticas, na Câmara dos Vereadores da cidade. A ASBAMTHO, membro histórico do COMSAÚDE (Conselho Municipal de Saúde), nesse momento representada por Donati Caleri, sugeriu e criou um Grupo de Trabalho sobre as PICS no Conselho.

Esse grupo de trabalho, constituído em setembro de 2016, realizou inúmeras reuniões para a elaboração coletiva de um projeto que viabilizasse e atendesse aos anseios da população, expressos inclusive nas últimas Conferências Municipais de Saúde, e da própria Secretaria de Saúde, no sentido da implantação da Política Municipal das PICS. A partir dessas discussões, foi constituída uma entidade jurídica, com personalidade própria, de caráter coletivo e participativo – a Associação Petropolitana de Profissionais das Práticas Integrativas e Complementares em Saúde (APPPICS) – que elaborou e apresentou um projeto de implantação, no Munícipio de Petrópolis, de atendimentos das PICS nas Academias de Saúde do SUS de Petrópolis e firmou um Convênio com essa Secretaria. As atividades começaram a ser implementadas em setembro de 2019 nas Academias de Saúde do Vale do Carangola, do Castelo São Manoel, do Parque de Itaipava e do Parque Cremerie. Iniciamos com as práticas de acupuntura, shiatsu, florais, fitoterapia, shantala, yoga e terapia comunitária.

Os objetivos dessa parceria consistem em:
- Contribuir para o aumento da resolutividade do Sistema Único de Saúde e a ampliação do acesso às PICS, garantindo qualidade, eficácia, eficiência e segurança no uso;
- Promover a racionalização das ações de saúde, estimulando alternativas inovadoras e socialmente contributivas ao desenvolvimento sustentável de comunidades.
- Auxiliar na diminuição do uso de medicalização do indivíduo que frequenta as Unidades Básicas de Saúde;
- Estimular o sentido educativo do cuidado de si, levando os indivíduos a assumirem o protagonismo sobre a sua própria saúde;
- Criar condições e instrumentalização para que os indivíduos e a comunidade desenvolvam práticas e recursos que promovam a saúde e previnam as doenças;
- Estimular a Educação Permanente em Saúde para capacitar profissionais da SMS, para ampliar o acesso dos usuários.
- Estimular as ações referentes ao controle/participação social, promovendo o envolvimento responsável e continuado dos usuários, gestores e trabalhadores nas diferentes instâncias de efetivação das políticas de saúde.